quinta-feira, 9 de julho de 2015

Ainda dá para gostar do futebol ?

Ainda dá para gostar do futebol ?
Por Patrick Cruz
Jornal Valor Econômico

O torcedor desceu do carro amparado por muletas e por seu filho ,que dirigiu o automóvel.Era um senhor de costas arqueadas,andar vacilante.Aquela seria sua primeira visita à BSBios Arena ,o novíssimo estádio do Sport Clube GAÚCHO de Passo Fundo RS ,com inauguração prevista para o mês que vem .O torcedor relevou o fato do clube ,outrora da elite do futebol do Rio Grande do Sul ,hoje disputa a terceira divisão do estadual .Tampouco quis saber de ajuda .Pediu ao filho que não o segurasse para andar" Não,aqui quero entrar sozinho ".

Foi o que fez : CUMPRIU consigo mesmo o compromisso de Testemunhar que o GAÚCHO , SEU clube do coração ,estava vivo.Em uma tarde perdida de abril, em um episódio com poucas testemunhas ,fez com SUAS próprias pernas , ignorando a idade ,o corpo,tudo.A despeito da Fifa,Cbf ,dos resultados arranjados ,dos elefantes brancos construídos para a Copa do Mundo ,do baixo nível técnico do Campeonato Brasileiro ,dos públicos minguantes ,da multiplicação de volantes e escassez de cérebros,o Futebol vive .Mas como ?

No dia 27 de maio, uma operação orquestrada pelo FBI ,a polícia federal americana ,levou a prisão de alguns dos mais altos dirigentes da FIFA ,a entidade que controla o esporte mais popular do planeta .entre os detidos estava José Maria Marin, ex-presidente da CBF .Foi um desfecho dramático para anos de suspeitas e acusações de corrupção na escolha de países sedes da Copa do Mundo e de desvio de dinheiro em acertos comerciais da FIFA .

Esses parecem ser elementos eloquentes para certa desilusão de torcedores com a bola .Não é o que diz a vida real .Os 56 mil torcedores que no domingo foram ao Mineirão assistir Atlético Mineiro x Joinville – Um jogo secundário da ainda morna edição 2015 do brasileirão-contradizem aqueles que velavam o futebol por antecipação.Assim como contradisse os pessimistas a visita do torcedor ao novo estádio do Gaúcho, em um ato de devoção que os holofotes da primeira divisão nem sequer supõem existir.

Na fala de Gilmar Rosso ,presidente do Gaúcho , a entrelinha que se enxerga é que o futebol é popular apesar das entidades que o controlam e não por causa delas .
”Não gosto de Futebol .Gosto é do Gaúcho “ ,diz. A história do dirigente e de seu envolvimento com a reconstrução do clube é um dos casos que respondem a pergunta que abre este texto.Se é possível gostar de futebol ?  Não há dúvida.

Rosso assumiu a presidência do Gaúcho em 2010 .Sua missão número 1 : assegurar a própria existência do clube . O Gaúcho estava afastado dos gramados e tinha que resolver um imbróglio de tons surgidos em 1996.Naquele ano,um menino acidentou-se nas piscinas do complexo esportivo do antigo estádio Wolmar Salton (o novo estádio mantém o nome do anterior).para arcar com as despesas do tratamento ,o Gaúcho precisava pagar uma pensão à família do garoto.O acordo não foi integralmente cumprido,o estádio foi a leilão e o clube ,que já tinha perdido crédito e espaço na elite do futebol de seu Estado , ficou também sem casa.

Depois de anos de negociações entre o Gaúcho, a Justiça e os credores do clube – havia cerca de 300 ações de penhora do estádio para pagamento de débitos -, em 2012 fez-se a luz : um hospital da cidade comprou a área do antigo estádio .
O dinheiro da venda foi para a Justiça ,que ficou responsável pelo pagamento –com descontos – a todos os credores ,incluindo a família do garoto.Status Atual : o Gaúcho não deve um único centavo a quem quer que seja.
Como os credores aceitaram as propostas de desconto nos débitos para receber o que o clube lhes devia ,o Gaúcho ainda ficou com um bom dinheiro – em torno de R$ 3 milhões – para começar a se reconstruir. O clube optou por ter novamente uma casa para chamar de sua , e assim começou a construção do novo estádio.Era uma questão de Honra .

A disposição do clube e de seu presidente de não apenas colocar o time em campo, mas fazê-lo sem varrer os débitos para debaixo do tapete ,deu credibilidade aos esforços .Empresários ,advogados e outras pessoas de bom nome em Passo Fundo se juntaram ao presidente para tentar pôr o Gaúcho em pá. Um dos parceiros de primeira hora é a BSBios,maior produtora de biodiesel do país, com faturamento anual superiora R$ 1 bilhão .A empresa não só é patrocinadora como assinou em acordo de “naming right “ com o clube : o complexo esportivo (que inclui o Wolmar Salton e o Ginásio Teixeirinha,cuja concessão foi obtida pelo clube em acordo com a prefeitura ) já é chamado de BSBios Arena .

A empresa sabe que não vende uma gota a mais de biodiesel por causa do patrocínio,mas a matemática não é exclusivamente comercial . “O projeto do clube é sério, e um dos retornos que temos é o de fazer parte de algo positivo para a cidade.A marca do Gaúcho é muito forte “, afirma Erasmo Battistella, presidente da BSBios .

Gilmar Rosso não é remunerado pelo que faz ,enfrentou um processo tenso de renegociação de débitos e , como pessoa razoavelmente bem informada sobre o mundo que o cerca ,sabe que o lado obscuro da bola existe .
Mas, para ele, não há dúvida de que o futebol mantém seu apelo desde sempre “ Cresci indo ao estádio com meu pai” , conta . “ Era lá que o Italiano rígido se soltava,ria ,chorava,cantava e falava os palavrões que não falava em casa . Acho que é no estádio que você realmente conhece seu pai “ .

O Presidente do clube sempre torceu pelo Gaúcho ,então sabe que estar vivo já é um Título .



   

sábado, 4 de julho de 2015

Dá SIM !!!!

AINDA DÁ PARA GOSTAR DO FUTEBOL ?

O torcedor desceu do carro amparado por muletas e por seu filho ,que dirigiu o automóvel.Era um senhor de costas arqueadas,andar vacilante.

Aquela seria sua primeira visita à BSBIOS Arena ,o novíssimo estádio do Sport Clube GAÚCHO de Passo Fundo RS ,com inauguração prevista para o mês que vem .

O torcedor relevou o fato do clube ,outrora da elite do futebol do Rio Grande do Sul ,hoje disputa a terceira divisão do estadual .

Tampouco quis saber de ajuda .Pediu ao filho que não o segurasse para andar
"Não,aqui quero entrar sozinho ".

Foi o que fez :


CUMPRIU consigo mesmo o compromisso de Testemunhar que o GAÚCHO , SEU clube do coração ,estava vivo.


Em uma tarde perdida de abril, em um episódio com poucas testemunhas ,fez com SUAS próprias pernas , ignorando a idade ,o corpo,tudo.A despeito da Fifa,Cbf,dos resultados arranjados ,dos elefantes brancos construídos para a Copa do Mundo ,do baixo nível técnico do Campeonato Brasileiro ,dos públicos minguantes ,da multiplicação de volantes e escassez de cérebros,o Futebol vive .Mas como ? ...

Esses parecem ser elementos eloquentes para certa desilusão de torcedores com a bola . Não é o que diz a vida real ........




Segunda Feira 06.07.2015

Reportagem completa do Sport Clube Gaúcho no Jornal Valor Econômico.
esporte ? ESPN
economia ? VALOR ECONÔMICO
O TOP em Economia no País

quarta-feira, 3 de junho de 2015

SC Gaúcho.... a ESPN Tem

ESPN.com.br









http://espn.uol.com.br/…/514936_time-da-3-do-gaucho-tem-are…

Time da 3ª do Gaúcho tem Arena Fifa com naming rights, dívida zero e 'Luxa dos Pampas'

Nesta série especial, o ESPN.com.br conta histórias alternativas de todos os campeonatos estaduais do Brasil, do Oiapoque ao Chuí, de Mâncio Lima a João Pessoa.

Imagine que em 2010 uma pequena equipe do interior do Rio Grande Sul tinha mais de 300 ações trabalhistas na Justiça, uma dívida de R$ 14 milhões, um patrimônio que estava em leilão e vários anos afastados das competições oficiais, sem sequer um time para entrar em campo.

Cinco anos depois, a mesma agremiação agora está sem dívidas, problemas judiciais e tem uma Arena padrão Fifa prestes a ser entregue com naming rights já vendido. E detalhe: na liderança da terceira divisão gaucha, com um treinador de apenas 30 anos apelidado de "Luxa dos Pampas".

Um dos grandes responsáveis por esta reviravolta é chamado de 'louco' pelos amigos: Gilmar Rosso, presidente do Sport Clube Gaúcho de Passo Fundo, que encontrou o clube em situação de penúria.





















"Nosso patrimônio tinha sido arrematado em um leilão judicial, então resolvemos colocar o time para jogar mesmo sem muitas condições e sensibilizar quem tinha comprado, afinal de contas, éramos uma instituição de 95 anos", diz o comandante do time alviverde, em entrevista ao ESPN.com.br.


Rosso se cercou de pessoas da cidade para renegociar as pendências, fez acordos com todos credores e quitou tudo por R$ 5 milhões. Depois, conseguiu vender o patrimônio do clube e ficou com CNPJ limpo. "Depois de todas estas ações, nós ganhamos uma área da prefeitura para a construção do estádio".O time, que antes precisava jogar fora da cidade, está finalizando uma Arena para 5 mil lugares por R$ 6 milhões. Em um segundo momento, caberão 25 mil torcedores no local. "Nós seguimos todos os encargos da Fifa, será muito moderna e auto sustentável".

Após procurar empresários, vendeu os naming rights para a BSBios, uma empresa de combustíveis, por três anos. Os valores envolvidos, porém, ele não revela. "Apenas a companhia pode falar, mas para nós são as 'mil maravilhas'", comemora.

O estádio está 90% pronto, de acordo com Gilmar Rosso. "Nós não devemos nada para ninguém, banco ou construtora, está tudo pago. Os melhores camarotes nós reservamos para quem pagou os naming rights, eles tem que ser tratados como VIP mesmo".

"Nós conseguimos a concessão do ginásio Teixeirinha, sexto maior do Brasil e que fica ao lado da Arena, para a empresa colocar o nome dela. A gente resgatou essa patrimônio da cidade e a ideia é ser uma fonte de renda para o clube também", diz.

Com tantas melhorias, alguns torcedores chegaram até mesmo a querer mudar o mascote do time. "Nós temos as cores do Palmeiras e o pessoal brinca que precisa trocar de periquito para a fênix, porque o clube renasceu das cinzas. Eu não quero trocar, mas é bem por aí mesmo a nossa situação", analisa.

Os problemas, tão recorrentes na Justiça, sumiram. "Eu administro aqui como empresa, sou torcedor apenas dentro de campo. Só negocio com jogadores, com empresário não falo de jeito nenhum, para mim, eles são um câncer no futebol", reclama.

Gilmar "Dizem que o Corinthians tem um bando de loucos, o Fluminense é time de guerreiros e o Grêmio é o Imortal. Quer viver essas três situações juntas, fique uma semana comigo aqui no no Gaúcho (risos)", conclui.

O Gaúcho, que lidera o grupo A da terceira divisão estadual com 13 pontos ganhos, tem como treinador Julio Cesar Nunes, o "Luxa dos Pampas", alcunha que ganhou de um diretor do Veranópolis. "Foi coisa dos meus amigos, os mais próximos brincam comigo, mas não é apelido (risos)" diz o treinador, que não gosta de usar ternos à beira do campo como o comandante do Real Madrid.

Julio desistiu de ser jogador aos 18 anos e foi estudar Educação Física. Trabalhou nas categorias de base de clubes e ajudou a revelar Ramiro (Grêmio), Bressan (Flamengo), Fernando, (Shakhtar) e Alex Telles (Galatasaray). Foi auxiliar técnico de Luis Carlos Winck no Esportivo de Bento Gonçalves, fazendo boa campanha no estadual.













No ano passado, foi chamado para comandar o Gaúcho de Passo Fundo e mudou de vez de função. "Aos 29 anos me tornei o treinador mais jovem da história do clube", se orgulha.


O treinador, que tem idade para ser jogador, acredita no trabalho para conquistar o tão sonhado acesso e recolocar em pouco tempo o time na elite do futebol gaúcho. "A gente é de uma safra jovem que não foi jogador profissional e precisa estudar mais, porque não temos nome, e aí saímos atrás", diz

terça-feira, 31 de março de 2015

Jornal O Nacional

As cadeiras do Wolmar Salton na Arena BSBIOS

A materialização de um sonho


O Sport Clube Gaúcho está materializando o sonho de seus torcedores. Mais do que o sonho da casa própria, a Arena BSBIOS representa a continuidade de uma história quase centenária. Depois do adeus ao lendário Estádio Wolmar Salton, começa uma nova era com o significado de renascimento. Surge a nova casa do Gaúcho que, rapidamente, começa a tomar forma. É uma arena, dentro dos modernos padrões das praças esportivas. Nesta metamorfose, o clube passa a contar com um complexo esportivo que recebe o nome da BSBIOS: a frente o Ginásio Teixeirinha e aos fundos a Arena Wolmar Salton. O ginásio em reforma, a arena em construção.

As cadeiras verdes
Na transposição do Boqueirão para as margens da RS-324, a história não se perdeu pelo caminho. A identidade está viva na indissociável cor verde. No bloco social estão as mesmas cadeiras verdes do velho estádio. Foram aproveitadas 500 unidades que, lado a lado, lembram as sociais da antiga casa. Outras 200 cadeiras remanescentes serão instaladas no lance de arquibancadas ‘ecológicas’, à direita das sociais. O elo com o Wolmar Salton não fica apenas nas cadeiras verdes. As goleiras do velho estádio seguiram na mudança e serão fixadas na nova arena. São traves com muitas histórias, como no pênalti cobrado por Bebeto que bateu no poste e armou um contra-ataque que resultou no gol do Inter. O vínculo nostálgico também está no lado de fora. Os taludes que protegem a área externa foram cobertos com a grama trazida do antigo estádio.

Concreto atrasou
Na parte coberta da Arena BSBIOS, além das sociais, também ficarão as cabines de imprensa e 11 camarotes. Segundo presidente do Gaúcho, Gilmar Rosso, quatro já foram comercializados, um será de uso do clube e outro da BSBIOS, detentora do naming rights do complexo. Os vestiários estão na parte de trás do ginásio e a ligação está parcialmente pronta. A primeira parte, que vai até a beira do gramado, tem 26 metros compostos de aduelas. A ligação será complementada por dois contêineres emendados. O verde do Gaúcho também está no gramado, que ainda receberá uma aplicação de ureia e uma compactação. Os trabalhos parecem adiantados, mas o presidente diz que estão fora do cronograma. “A greve dos caminhoneiros atrasou tudo. Falta concreto, não estamos conseguindo concreto e isso prejudica muito”, explicou.

Domingo em campo
O Gaúcho vai disputar o Campeonato Gaúcho da Segunda Divisão. A estreia será no próximo domingo, diante do Palmeirense, às 15 horas em Palmeira das Missões. Os torcedores organizaram uma excursão para acompanhar o time, ao custo de R$ 50,00 sem o ingresso. Interessados podem obter informações pelos telefones (54) 9618-2392 e 9199-7198.

Publicada em: 31/03/2015 - 11:15 ,
por Luiz Carlos Schneider esportes@onacional.com.br
Créditos: LC Schneider/ON

terça-feira, 10 de março de 2015

Bsbios Arena



Nasce a BSBIOS Arena 

No complexo se desenvolverão práticas de diversas modalidades esportivas em Passo Fundo

A tarde de 10 de março de 2015 entrou para a história do esporte de Passo Fundo, como a data em que foram solidificadas parcerias para alavancar a poliesportividade no município. A BSBIOS e o Sport Clube Gaúcho firmaram contrato para fazer a reformulação do ginásio poliesportivo e para a construção do estádio de futebol, que passaram a se chamar BSBIOS Arena. Na oportunidade também foi renovado o patrocínio da empresa com a Associação Esportiva Recreativa Voleibol Passo Fundo, ou seja, com o time de voleibol adulto feminino BSBIOS/UPF.

“No ano em que a BSBIOS comemora 10 anos, estamos ajudando a construir mais um degrau nessa longa história do Gaúcho e também na de Passo Fundo. Quando fomos procurados pelo presidente propusemos desenvolver um projeto de esporte no município, envolvemos o voleibol que já apoiávamos, e aqui se abre a oportunidade para desenvolver, através do ginásio, outras práticas esportivas,” comemorou o diretor presidente da BSBIOS, Erasmo Carlos Battistella, ressaltando que essa parceria já é vitoriosa e deve ser de longo prazo.



O presidente do Gaúcho, Gilmar Rosso, agradeceu a BSBIOS e a todos aqueles que acompanham a trajetória do Clube. “Nós vamos para frente graças a essas pessoas e empresas que acreditaram no projeto do Gaúcho, e já estamos sendo procurados por outras equipes para se juntarem a nós, queremos que esse complexo se torne uma referência esportiva, cultural e turística,” destacou Rosso.

O ginásio poliesportivo BSBIOS Arena está passando por reformas e, em breve, estará apto para ser um espaço para o desenvolvimento de práticas esportivas, como, o voleibol, futsal, basquete, handebol e outros. Já o estádio, que terá capacidade para 5 mil pessoas, está em fase de construção das arquibancadas. A expectativa é que o primeiro jogo pelo campeonato Gaúcho, segunda divisão, ocorra em 19 de abril.

O prefeito de Passo Fundo, Luciano Azevedo, lembrou que “o Clube foi audacioso e o único a apresentar interesse no processo de concessão do ginásio, processo que ocorreu com toda a transparência, agora o Gaúcho está mais uma vez surpreendendo positivamente alavancando parcerias para desenvolver o esporte no município. A BSBIOS também está de parabéns, pois mais uma vez demonstra que tem compromisso com Passo Fundo”.


O presidente da A.E.R Voleibol Passo Fundo e secretário municipal extraordinário dos esportes, Gilberto Bellaver, destacou que está orgulhoso de fazer parte da história e de fazer com que o voleibol volte para a maior casa do Rio Grande do Sul, com mais de 7 mil pessoas sentadas, que é o ginásio poliesportivo.

segunda-feira, 9 de março de 2015

sábado, 7 de março de 2015



DAS ARQUIBANCADAS PARA A HISTÓRIA
Autor: Redação Jornal Diário da Manhã  Passo Fundo

 “Me dá só um minuto, por favor”. Assim, com a voz embargada, o presidente do Sport Club Gaúcho, Gilmar Rosso, pediu um pouco mais de tempo para controlar a emoção. O assunto não era a apresentação do novo técnico, do elenco ou mesmo um parecer sobre o andamento das obras na Arena Wolmar Salton. Na última quinta-feira (26), o clube se despediu de um dos seus mais fanáticos torcedores: Volmar Godinho, aos 47 anos, faleceu em decorrência de uma embolia pulmonar.

Todos os sábados à tarde, Volmar visitava a Arena. Acompanhava de perto cada pequeno avanço da nova casa do seu time do coração. No antigo estádio não era diferente. “Ele era torcedor fiel do Gaúcho. Poderia faltar o presidente, o treinador, os jogadores, mas ele sempre estava nos jogos. A determinação dele motivava a gente. Às vezes, estávamos meio desanimados, olhávamos para a arquibancada e estava o Volmar lá”, relata o presidente.

Nas redes sociais, as fotos e depoimentos de amigos ratificam a paixão pelo time. A vontade de ver as cores verde e branco serem defendidas em campo era tanta que ele não media esforços para colaborar com o clube. Após a morte do pai, em maio de 2014, Volmar procurou o presidente para contribuir com a obra. “Ele me disse que o pai dele havia lhe deixado um legado, que sempre acreditou que iríamos conseguir fazer o nosso estádio, e, por isso, quis colaborar com o pacote da venda de uma camiseta, que corresponde ao valor de 20 sacos de cimento. Ele sequer quis a camiseta, apenas ajudar”, conta.

No final de semana anterior ao seu falecimento, Volmar comprou o outro pacote, equivalente a 10 sacos de cimento. Novamente, autorizou o presidente a doar a camiseta para outra pessoa, mas manifestou que gostaria de ter uma igual à da comissão técnica do clube. “Prometi que buscaria uma e que, na próxima vez que o visse, eu lhe entregaria a camiseta. Não tive tempo de fazer isso”, lamenta Gilmar Rosso.


O torcedor fiel não estará mais nas arquibancadas torcendo pelo clube. Infelizmente, ele não teve tempo de ver a Arena pronta, as redes balançando e o grito de gol ecoando pelas arquibancadas. No entanto, Volmar estará para sempre marcado na história do Gaúcho: a pedido da família, as cinzas dele foram espalhadas pelo gramado da nova casa do Periquito no dia 28 de fevereiro. “Pessoas como o Volmar não podem ser apagadas, não tem como tirar do coração. Agora, o Gaúcho não vai mais jogar com 11, mas com 12 jogadores em campo”.

Foto: Divulgação