terça-feira, 30 de setembro de 2014

Arena Gaúcho ...

Preservando a Natureza  ..... Os novos  Contratados  do SC Gaúcho e da Arena Gaúcho 




domingo, 28 de setembro de 2014

Sempre Ídolo.......

No Mês do Aniversário/Nascimento de Alberto Villas Boas  -BEBETO - nossa Homenagem ao nosso ídolo.



terça-feira, 23 de setembro de 2014

Não ao desperdício ...

Esportistas exigem aproveitamento do Teixeirinha
Autor: Kleiton Vasconcellos - Jornal Diário da Manhã




Foto: Kleiton Vasconcellos / DM


Está fundamentada uma aliança esportiva em Passo Fundo. Líderes de diversas modalidades reuniram-se na tarde de ontem (18), com o intuito de formalizar um grupo para pressionar a prefeitura municipal a conceder a concessão do Ginásio Teixeirinha ao Sport Club Gaúcho. E os esportistas querem respostas.


A reunião de ontem contou, entre outros, com técnicos de equipes de vôlei, futsal e escolinhas de futebol, além de diretores e presidentes de clubes, bem como professores da Universidade de passo Fundo (UPF). “O nosso objetivo, no primeiro momento, é conhecer como está a situação do ginásio com o SC Gaúcho. No segundo momento, queremos ver legalmente o que podemos fazer para que o Teixeirinha não vire um Sessisão 2” disse Ricardo Attolini, referindo-se ao Estádio Sessim, de Tramandaí, famoso por ser um exemplo de desperdício do dinheiro público.

Outro líder a falar foi Clóvis Kümpel, o Javali. Técnico vitorioso do futsal, Javali lamenta o momento do ginásio. “Eu sempre sonhava com grandes jogos ali, que tem a estrutura para ser o melhor do Brasil. Nós temos que exigir, pressionar, pois o poder público municipal tem que resolver isso” afirmou. No mesmo sentido, para o diretor da Apeo/ Futsal, Tales Goulart, “lamento a falta de apoio ao esporte e é preciso salientar que estamos montando um grupo apolítico, sem interesses partidários”. O professor Sérgio Martin chamou atenção para outro fator. “Nós não temos, hoje, um grande ginásio para competições oficiais na cidade e não é preciso construir nova estrutura” apontou.

Autor de uma proposta em que o Ginásio passaria a ser administrado pelo SC Gaúcho, o presidente do clube, Gilmar Rosso, mostrou estar com a paciência esgotando. “”Em dezembro do ano passado vi o edital de abertura de concessão pública. Junto com minha diretoria, elaboramos uma proposta, fizemos um laudo e posso garantir que sim, é possível recuperar o Teixeirinha” expôs. Ainda conforme o presidente, a proposta engloba a construção de museus e utilização da estrutura para jogos de equipes profissionais de modalidades como basquete, vôlei e futsal.

Valores
Em linhas gerais, o levantamento feito pelo SC Gaúcho aponta para algumas reformas no ginásio, afim de colocá-lo em funcionamento pleno. “Está documentado: é necessária a troca de telhas e retirada de algumas paredes já comprometidas, além de manutenção simples. Apontamos um valor de R$ 1,4 milhão como custo” contou Gilmar Rosso.

Reuniões
Conforme Attolini, o pontapé está dado. “Nós alinhavamos agora o apoio irrestrito à proposta do Gaúcho. Vamos fazer mais reuniões, contamos com outras lideranças esportivas e até mesmo nossa ideia é ter engenheiro, advogado e levarmos ao Ministério Público, se for necessário” avisou.   

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Na Bagagem ....

Com as goleiras na bagagem

Prosseguem as obras na nova casa do Sport Clube Gaúcho

Jornal O Nacional  - LC Schneider/ON


Goleiras: elo histórico


Casa nova, mas com as velhas goleiras. Assim, o Sport Clube Gaúcho carrega um pedaço da história do Estádio Wolmar Salton para a Arena Wolmar Salton. As traves servirão como um elo entre as duas casas. 

As goleiras foram transportadas na última quinta-feira, mas logo serão erguidas no novo local. Ainda faltam algumas etapas para que surja o verde do gramado. “Estamos iniciando a colocação da drenagem”, explicou o presidente do Gaúcho, Gilmar Rosso. Contando com a orientação de Abrelino Mello, a área para o campo de futebol já está nivelada. Na sequência receberá brita, areão e a tubulação. Serão tubos de 100 mm e 150 mm perfurados para drenagem. Depois virá a camada de terra que receberá a grama.

Bermuda
O agrônomo Jairo Lang será o responsável pelo gramado da Arena Wolmar Salton. “Vamos implantar a espécie bermuda”, informou. O representante da empresa espanhola Alfredo Iñesta entende que “essa é uma grama mais leve, de última geração, a mesma utilizada nas arenas da Copa do Mundo”. Ainda não está definido se a grama chegará em rolos ou se será semeada no local. Em caso de semeadura e cuidados especiais, Jairo disse que o gramado estará em condições de uso após 120 dias. Ontem, porém, o presidente Gilmar Rosso estava preocupado com outra grama: a do antigo estádio. Transportada em forma de leivas, servirá para cobrir os taludes que cercam a nova arena. Serão mais de 6.000 m² para admiração dos nostálgicos torcedores do gaúcho.

sábado, 6 de setembro de 2014

Era Uma Vez ....

Jornal O Nacional 

ERA UMA VEZ NO BOQUEIRÃO ........


Estádio Wolmar Salton não existe mais. 

Gaúcho sai do estádio e vai para Arena




Era forte a marcação dos irmãos Pontes. Imperava a maestria quando a bola passava pelos pés de Jair, Pedro ou Roberto. E quando Bebeto disparava o canhão, nas arquibancadas os torcedores extravasavam sua paixão pelo clube.

O alambrado servia de escora para fervorosos torcedores, como Rui Pelego, responsável pela “marcação” do bandeirinha das sociais. Alegria na copa, espichado grito de gol nas cabines suspensas. Camisas verdes significavam raça em campo, bandeiras verdes impunham respeito ao seu redor.

Outrora um território temido pelos adversários, o Estádio Wolmar Salton não existe mais. Sem as arquibancadas, as sociais e as goleiras, restou uma imensa área. Concreto e ferragens serão reaproveitados na nova casa do Sport Clube Gaúcho.

Emblemáticas, as goleiras também foram levadas para a futura Arena Wolmar Salton. Nessa nostálgica reciclagem, até o histórico gramado será aproveitado para cobrir os taludes. Testemunhas de uma linda história, restaram os guichês das bilheterias da Rua General Osório. 

Pelas frestas ainda há resquícios do verde e do branco. Encerra o ciclo do Gaúcho e começa o do São Vicente.

Do esporte à saúde, aquele pedaço do Boqueirão será sempre muito importante.

Publicada em: 05/09/2014 , 
por Luiz Carlos Schneider
esportes@onacional.com.br
Créditos: LC Schneider/ON

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

O DESTINO DO TEIXEIRINHA










Geral  Passo Fundo, 04/09/2014

DESTINO INCERTO 

Autor: Redação Passo Fundo
Foto: Andressa Zorzetto / DM

Desde 2013, o Ginásio Poliesportivo Vitor Matheus Teixeira – Teixeirinha, vem sofrendo avaliações constantes acerca dos problemas de infraestrutura que resultaram no fechamento do espaço. Através de um edital publicado pela Prefeitura, onde convocava-se empresas para tomarem parte da concessão do local, o Sport Club Gaúcho demonstrou vontade de assumir a gestão do Ginásio e, em março de 2014, o Poder Executivo estabeleceu um período de 30 dias para que o clube oficializasse o interesse da gerência do espaço para restaurá-lo e entregá-lo novamente à comunidade.

O Teixeirinha foi inaugurado em 2004, mas nunca chegou a ser utilizado em sua totalidade. Problemas de irregularidades, como infiltrações, telhas inadequadas, paredes com rachaduras e arquibancadas desniveladas, foram avaliados pela equipe técnica da Secretaria de Planejamento, que apontou perigo à segurança dos frequentadores do local.

O presidente do Gaúcho, Gilmar Rosso, declarou que o projeto apresentado sanava o perigo ofertado pelas estruturas, sendo que ele visava “total segurança e conforto para a comunidade”. A proposta decretou que o clube reformaria a estrutura enquanto a Prefeitura ficaria responsável por melhorias de acesso ao local, como a estrada, facilmente descrita por buracos e pedras soltas.

Após meses, nada foi feito e a estrutura torna-se cada vez mais danificada. As paredes estão cedendo e as folhas de zinco despencando. Ao observar o Ginásio de perto, a primeira coisa vista são pedaços de escombros caídos para o lado de fora, bem como a frase que diz: “área interditada”.

Segundo a Secretária de Planejamento, Ana Paula Wickert, a Prefeitura enviou à Caixa Econômica Federal e aguarda a resposta para que uma decisão seja lançada. “Estamos aguardando o laudo técnico de engenharia e avaliação da Caixa Econômica Federal, que deve chegar próximo do dia 15. A partir daí, anunciaremos a decisão”, pontua.

Ao ser questionada sobre a posposta do Gaúcho, Ana Paula destaca que houve necessidade da Prefeitura buscar por um estudo pleno, onde constasse todos os pontos a serem transformados e aproveitados. “O Clube apresentou a proposta, mas precisávamos de uma a avaliação completa realizada pela Caixa”, ressalta.

Em seu último pronunciamento sobre o caso, Rosso destacou que se não houver acerto sobre o tempo de reforma, o Gaúcho não deve insistir no gerenciamento. “Dentro do que conversamos com o prefeito, não temos a obrigação de assumir a gestão se não chegarmos a um consenso sobre o cronograma de obras. Nada será feito às pressas, pois isso pode colocar em risco a segurança de quem for utilizar a estrutura do Teixeirinha e nós não queremos desta forma”, pontua.

Para completar, o presidente defendeu que “a diretoria e o conselho do Gaúcho vão deliberar se há, realmente, condições de arcarmos com a proposta, porque não somos inconsequentes de assumir um projeto sem condições de viabilizá-lo”.

Nao espera
Um investimento de R$12 milhões desperdiçado. O espaço, que já contou com a presença de vários shows nacionais de diversos estilos musicais, não é aproveitado com a finalidade para qual foi elaborado. Hoje, a estrutura localizada na perimetral da ERS 324, que seria destinada para a prática de esportes e apresentação de shows dá lugar às arquibancadas vazias e ao silêncio, gerando gastos aos cofres públicos.

O local, onde supostamente é utilizado como local de abrigo, fato negado pela Secretaria de Planejamento (Seplan), possui uma equipe terceirizada de seguranças fazendo a ronda. As condições de limpeza são deploráveis, bem como o forte odor de urina. A comunidade espera por uma resposta e ações para que aqueles R$12 milhões não terminem em empilhamento de tijolos e água acumulada em dias de chuva.

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Reaproveitamento

Publicada em: 02/09/2014 - 10:05 , por Luiz Carlos Schneider/Jornal O Nacional 

DRENAGEM NA ARENA WOLMAR SALTON 

Campo terá irrigação eletrônica e reaproveitamento de água

Créditos: Glenda Vivian/ON
Ontem: preparativos para a drenagem

Pensando em sustentabilidade, o gramado da Arena Wolmar Salton já está sendo estruturado. Economia e respeito ao meio ambiente fazem parte da estratégia. A nova casa do Sport Clube Gaúcho terá reaproveitamento da água para irrigar o campo. Para isso os preparativos já estão em andamento e iniciam com a drenagem. Isso permitirá que a água captada no próprio campo sirva para sua irrigação.

 “Assim também reaproveitaremos os produtos que serão aplicados na grama”, explica o presidente Gilmar Rosso. Após as escavações, começou a fase da drenagem. Depois será semeada a grama. Porém, o campo de futebol terá também um moderno sistema de irrigação eletrônica. “Poucos no Rio Grande do Sul terão irrigação e drenagem como o nosso”, afirmou, ontem, o presidente do Gaúcho. De acordo com Gilmar, haverá um reservatório de 40 mil litros para alimentar o sistema que utilizará pressão para acionar os aspersores.


Reciclagem

O foco na sustentabilidade também foi importante na transição estádio-arena, através da reciclagem e reaproveitamento. As seis sapatas, que sustentavam estruturas no Estádio Wolmar Salton, serão reaproveitadas. Ontem, a última foi retirada e levada para às obras da Arena, localizada nos fundos do Ginásio Teixeirinha. Também as arquibancadas, os trilhos de sustentação e as ferragens serão utilizados na nova casa. O processo será finalizado com a transferência das goleiras, previsto para hoje ou amanhã. Assim, uma parte do lendário Estádio Wolmar Salton acompanhará o Sport Clube Gaúcho. Reciclagem da história, para não esquecer os gols de Bebeto.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Real....

Uma Realidade - SC Gaúcho -Google +

Vídeos e Fotos da Construção das Arquibancadas 

Link Abaixo
https://plus.google.com/106576925218264689426/stories/158659e2-1cc6-3958-98a1-e5f6d595d86d1482e38c404?authkey

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Deixando ...

DEIXANDO O ANTIGO ENDEREÇO 
Jornal Diário da Manhã
Autor: Kleiton Vasconcellos

O ano de 2014 tem sido de uma rotina ao mesmo tempo melancólica e de esperança para o Sport Club Gaúcho. Se dentro de campo os resultados não vieram na Terceira Divisão, fora dele um novo futuro se desenha. Pois, se hoje (27) está prevista a última retirada de materiais provenientes da demolição total do Estádio Wolmar Salton, já a partir da próxima semana todas as atenções ficarão para as sonhadas obras na Arena Wolmar Salton.

Tudo o que era conhecido do antigo estádio já não existe mais. As arquibancadas, o pavilhão, as piscinas, os vestiários e corredores, tudo foi demolido. E, em época de consciência ambiental, a quase totalidade do que seria um entulho vira material de reconstrução. “O nosso projeto é de reaproveitamento total do estádio para a arena. Essa iniciativa tem o valor sentimental, pois é a nossa história, tem o lado ecológico, onde não jogamos nada fora e também a necessidade econômica, pois é mais viável” explicou o presidente do SC Gaúcho, Gilmar Rosso.

Até aqui, já foram retiradas toneladas de material, como barras de ferro, blocos de concreto, madeira e pedra. “Toda a sobra do antigo pavilhão nos dá um belo material para formarmos a sustentação e base do piso, por exemplo, do nosso novo campo suplementar na Arena” complementa o presidente. Também, o presidente expôs que “não valia a pena vender tudo como ferro velho e depois ter de comprar novo”.

Ainda na lógica da total economia e reaproveitamento, as traves, que viram gols históricos no Estádio, serão as mesmas que escreverão os novos capítulos do Alviverde na Arena. “Elas estão em ótimo estado e digo mais: vamos levar também a grama, para ser replantada no campo suplementar” afirma Rosso.

Quanto à nova Arena, os trabalhos serão intensificados a partir da semana que vem. Por ora, a direção orçou a construção/ serviço de áreas como a terraplenagem (em andamento), drenagem, colocação do gramado e transporte do material (em conclusão). “Tudo orçamos com quatro empresas, onde prezamos pela qualidade e pela parceria, uma vez que serão nossos anunciantes nos espaços publicitários” disse o presidente.

A área onde ficava o Estádio Wolmar Salton foi adquirida pelo Hospital São Vicente de Paulo. O projeto prevê que o terreno abrigue, num futuro próximo, uma nova unidade da instituição. A nova Arena Wolmar Salton está sendo construída em um espaço localizado ao lado do Ginásio Teixeirinha, também no bairro Boqueirão.

Cadeiras
As cadeiras, que resistiram bem à ação do tempo, foram recuperadas. Das pouco mais de mil que compunham o antigo pavilhão, quase 900 – mais exatamente 890 – foram recuperadas, com nova pintura. Elas estão depositadas em uma propriedade particular, a espera do momento de serem colocadas na Arena.

Futebol
Como nem só de Arena vive um clube, Gilmar Rosso não se furta de falar de futebol. “Nossa expectativa é gerar renda tão logo o estádio vá sendo concluído, com a venda de espaços nas placas de publicidade e nas camisas. Também, com a nossa nova casa pronta, poderemos alugar o campo para interessados. Daí é que vamos retirar os recursos para bancar o futebol já em 2015” comenta o presidente.

Foto: Kleiton Vasconcellos / DM

sábado, 16 de agosto de 2014

DIVULGAÇÃO

Um dos principais artilheiros de clubes do Brasil tem sua história contada. Bebeto, o grande goleador do Gaúcho, Caxias, Grêmio e Internacional ficou conhecido como “O Canhão da Serra”, pela força de seus chutes. Ídolo dentro e fora dos gramados, o jogador levou o nome de Passo Fundo a todos os cantos do país. Em 19 anos de carreira como atleta profissional, marcou 395 gols por 11 clubes. Foi duas vezes artilheiro do Campeonato Gaúcho e deixou um exemplo de esportividade.

O livro “Bebeto – O Canhão da Serra” traz todos os números, curiosidades, uma lista de 20 jogos que marcaram a carreira de Bebeto, fotos e as fichas técnicas de todas as partidas que o jogador disputou pelo Campeonato Brasileiro.
Compre agora o seu!
R$ 20
(frete incluso, envio por PAC)

Bebeto – O Canhão da Serra

Editora: Passografic
A
utor: Lucas Scherer

Número de páginas: 160

Acabamento: brochura

Formato: 17 x 24 cm

Peso: 0,32 kg

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Literatura do Futebol

                           SC GAÚCHO - DIVULGAÇÃO 


Escrevo para anunciar o lançamento da segunda edição de "Os Donos da Bola: O Campeonato Citadino de Futebol de Passo Fundo", em formato e-book
 (futebolpassofundo.wordpress.com) e gratuito!

O autor: Lucas Scherer Cardoso  nasceu em Passo Fundo em 1979. É jornalista, roteirista e tradutor. 

Escreveu Bebeto - 
O Canhão da Serra, em 2010; 
Os Donos da Bola: 
O Campeonato Citadino de Futebol de Passo Fundo - 1ª Edição, em 2012; 
Anuário do Futebol Passo-Fundense Nº 1, em 2013; e Anuário do Futebol Passo-Fundense Nº 2, também em 2014

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Obras Arena , Prestação contas ...


Confira a entrevista do  Presidente Gilmar Rosso, link abaixo ,  ao Programa Ordem do Dia, João Altair.
Radio Planalto


http://t.co/ykwxuuQE5j


quinta-feira, 7 de agosto de 2014