domingo, 30 de março de 2014

VENCEU


Gaúcho vence o XV de Novembro




Em partida válida pela segunda rodada da terceira divisão, o Gaúcho venceu a equipe do XV de Novembro, na tarde deste sábado, no estado Vermelhão da Serra, pelo placar d 1 a 0. 

Com o resultado o alviverde soma três pontos em duas partidas. 
O próximo compromisso será na quarta-feira, contra o Palmeirense, em Palmeira das Missões

sexta-feira, 28 de março de 2014

OS INGRESSOS



S.C. Gaúcho x E.C. 15 de Novembro

DATA: 29/03/2014 – SÁBADO


Os ingressos têm preço único de R$ 5,00.

Podem ser adquiridos antecipadamente com 
Adamastor (ao lado do Oásis), 
Quiosque da Funzoctur na General Neto, 
Bar do Borga e 
Pés Calçados.

PORTADORES DA CAMISA NIKE , NÃO "PAGAM " 

INGRESSO E COM ACESSO AS CADEIRAS 

NA CIDADE

SC Gaúcho tem jogo antecipado
Autor: Kleiton Vasconcellos

Foto: Kleiton Vasconcellos / DM

A estreia do Sport Club Gaúcho diante do seu torcedor em 2014 teve, a pedido da direção Alviverde, a data alterada. Previamente marcado para o domingo (30), o jogo contra o 15 de Novembro, de Campo Bom, será realizado neste sábado (29).

 A partida inicia às 15h30min no Estádio Vermelhão da Serra.

O confronto vale pela 2ª rodada da Terceirona. Vindo de derrota para o Guarani em Venâncio Aires, na abertura do campeonato, o SC Gaúcho quer contar com o apoio da torcida para buscar os primeiros pontos. “Como domingo vai ter o Gre-Nal, a gente pediu a antecipação do jogo, para não concorrermos com a televisão. Queremos que o torcedor compareça e nos ajude” afirmou o presidente do SC Gaúcho, Gilmar Rosso. 

Outra iniciativa que busca a presença de bom público é o preço do ingresso: R$5 e quem tem a camisa modelo 2014 não paga a entrada.

Até aqui, entre a pré-temporada e o início da Terceirona, o SC Gaúcho ainda não havia treinado no local onde vai mandar os jogos em 2014, o Estádio Vermelhão da Serra. Para diminuir o estranhamento dos jogadores com relação ao gramado, o Alviverde realizou na tarde de ontem (27) um treinamento ali.

O treinador Marco Aurélio Oliveira, que também ocupa o cargo de preparador físico, comandou um coletivo. No trabalho, o principal objetivo foi encontrar um substituto para o meia Maicon, expulso diante do Guarani. Dois nomes surgem como alternativas: o meia Tairone e o atacante Pedrinho.

Na terça e na quarta-feira, os jogadores haviam feito treinos mais específicos, como posicionamento defensivo e ensaio de jogadas aéreas, nos campos da UPF e da Frangosul. Para hoje (28) está programado um treino de dois toques, pela parte da manhã, na UPF.


Camisas
Como tem sido de praxe no SC Gaúcho, novamente em 2014 o torcedor que adquirir a camisa do ano terá entrada gratuita nos jogos realizados no Estádio Vermelhão da Serra. 

As camisas, fabricadas pela NIKE , custam R$150 e podem ser adquiridas nas lojas Pés Calçados, Botoli Esportes e Paquetá Esportes.

quinta-feira, 27 de março de 2014

Primeiro Jogo 2014

Campeonato Gaúcho da Segunda Divisão – Série B   2014

S.C. Gaúcho x E.C. 15 de Novembro 

DATA: 29/03/2014 – SÁBADO

Horário: 15h 30min

Local: Estádio Vermelhão da Serra – Passo Fundo – RS

Att,
Rubens Rossetto Filho
DEPTO DE FUTEBOL PROFISSIONAL

sexta-feira, 21 de março de 2014

SEGURANÇA....


Jornal Diário da Manha 

SEGURANÇA SERÁ O FOCO DO GAÚCHO NO TEIXEIRINHA 

Autor: Cristian Puhl

A probabilidade de o Ginásio Poliesportivo Vitor Matheus Teixeira, o Teixeirinha, ser reutilizado pela comunidade ainda em 2014 parece ser praticamente nula, embora o Executivo passo-fundense tenha convocado, na manhã desta quarta-feira (19), uma reunião com a diretoria do Sport Club Gaúcho – único interessado, até o momento, em administrar e recuperar o espaço – para estabelecer o prazo de 30 dias para a apresentação de uma proposta concreta de gestão.

Interditado no primeiro semestre do ano passado, o Teixeirinha vem sendo alvo de avaliações e fiscalizações constantes em função dos problemas de infraestrutura que resultaram no fechamento do espaço. Entregue para a comunidade no final de 2004, o Ginásio nunca chegou a ser utilizado em sua totalidade. 

Deficiências na estrutura do piso da quadra e palco com infiltrações e irregularidades, cobertura com telhas inadequadas, paredes com umidade, rachaduras e deslocamentos, além de arquibancadas com falta de correções de nível foram alguns dos pontos observados pela equipe técnica da Secretaria de Planejamento do Município, que decretou o fechamento do local para não por em risco a segurança dos usuários e frequentadores.

Segurança, alias, é o que o presidente do Sport Club, Gilmar Rosso, disse ser o foco principal da entidade caso o clube assuma, efetivamente, a administração do Teixerinha. Ontem, Roso e o engenheiro Civil, Jorge Rossato, conversaram com o prefeito, Luciano Azevedo; o procurador Adjunto da Procuradoria-Geral do Município, Júlio César Severo da Silva; e o secretário de Desenvolvimento Econômico, Carlos Eduardo Lopes da Silva; sobre a proposta anunciada em 2013 pelo Gaúcho. “Nós fizemos a proposta em dezembro e o Executivo, nesta semana, se manifestou. Nossa intenção é fazer um projeto que dê total segurança e conforto para a comunidade. Esta tem sido a marca da nossa gestão: segurança. Não vamos tomar nenhuma medida que seja contrária a isso”, apontou Rosso.

Viabilidade técnica-orçamentária

Durante a reunião desta quarta-feira, o Executivo estabeleceu um período de 30 dias para que o Gaúcho oficialize e acene positivamente com o interesse de assumir a gerência do Teixeirinha. Entre as exigências da Administração Municipal está o detalhamento de um plano de investimento para a revitalização do espaço e do uso da estrutura, cuja quadra possui as medidas para sediar competições oficiais e também foi construída para receber shows musicais e apresentações artísticas. “O Gaúcho pode assumir o Ginásio Teixeirinha desde que faça o investimento necessário. Desta forma, podemos fazer a concessão”, afirmou o prefeito.


No final de 2013, Rosso e a direção do Gaúcho já haviam entregado à Municipalidade uma proposta em que o clube assumia a reforma da estrutura, com contrapartida da Prefeitura, que ficaria responsável pela melhoria do acesso e outras modificações pontuais no terreno. “Agora, o que o Executivo nos solicitou foi um projeto detalhado e segmentado, com informações mais profundas sobre os processos de investimento e gestão que seriam aplicados no Teixeirinha”, contou Rosso, afirmando que a oferta inicial da entidade não deve ser reformulada. 

“A essência será a mesma, porque não vamos refazer o que já propomos. Vamos, sim, detalhar e entregar ao Município dados pormenorizados, com todas as questões técnicas e orçamentárias legais para que, posteriormente, não ocorram infrações e apontamentos jurídicos”
O presidente do Gaúcho assegurou ainda que se não houver acerto com relação ao tempo de reforma, o Gaúcho não deve insistir no gerenciamento. “Dentro do que conversamos com o prefeito, não temos a obrigação de assumir a gestão se não chegarmos a um consenso sobre o cronograma de obras. 

Nada será feito às pressas, pois isso pode colocar em risco a segurança de quem for utilizar a estrutura do Teixeirinha e nós não queremos desta forma. O Gaúcho não quer a responsabilidade de administrar um espaço que trará insegurança para a comunidade”, declarou.

Além disso, ponderou Rosso, questões orçamentárias também devem ser levadas em consideração. “A diretoria e o conselho do Gaúcho vão deliberar se há, realmente, condições de arcarmos com a proposta, porque não somos inconsequentes de assumir um projeto sem condições de viabilizá-lo. A comunidade vai cobrar da gente depois”, argumentou, salientando que a devolução do Teixeirinha para a sociedade será importante para todos os segmentos. 

“Vai ser bom para a cidade e para o Gaúcho, mas é preciso haver condições financeiras e de tempo para o projeto ser executado”.

Nos próximos dias, informou o presidente do Sport Club, a diretoria do Gaúcho deve se reunir para iniciar o detalhamento da proposição.

Sem recursos públicos

Na primeira reunião ordinária do Conselhão – PF, ocorrida no sábado (15), os conselheiros orientaram o Executivo a não investir recursos públicos na reforma do Teixeirinha. Preliminarmente, avaliaram eles, seriam necessários cerca de R$ 8 milhões para revitalizar o espaço. “Nós preferimos não revelar valores, até porque ainda não há uma análise profunda de todas as questões”, disse Rosso.

As tentativas do Município em reativar a estrutura do Teixeirinha iniciaram em setembro, quando o Executivo decidiu publicar um edital de Chamada Pública para convocar empresas a explorar a concessão do Ginásio. No período em que o edital permaneceu aberto, apenas o Gaúcho manifestou interesse.

quarta-feira, 19 de março de 2014

Prazo.....

Jornal O Nacional
Publicada em: 19/03/2014

Gaúcho tem prazo para decidir sobre o Ginásio Teixeirinha

Direção do clube se reuniu esta manhã com o prefeito Luciano e tem 30 dias para dizer se vai gerenciar o local Ginásio foi inaugurado há mais de 10 anos e não serve ao fim para o qual foi construído

No seguimento das tratativas sobre o Sport Club Gaúcho assumir a gestão do Ginásio de Esportes Vitor Matheus Teixeira, o Teixeirinha, mais uma reunião foi realizada na manhã dessa quarta-feira (19).

O prefeito Luciano Azevedo, juntamente com o procurador adjunto da Procuradoria Geral do Município, Júlio César Severo da Silva, e do secretário de Desenvolvimento Econômico, Carlos Eduardo Lopes da Silva, recebeu o presidente do clube, Gilmar Rosso, e o engenheiro civil, Jorge Rossato.

A Prefeitura de Passo Fundo anunciou oficialmente o prazo de 30 dias para o Gaúcho decidir se assume a gerência do ginásio. Uma proposta deverá ser apresentada com o detalhamento do plano de investimento para recuperação do espaço e uso.

“O Gaúcho pode assumir o Ginásio Teixeirinha desde que faça o investimento necessário. Desta forma, podemos fazer a concessão”, ressaltou o prefeito Luciano.

O presidente Gilmar Rosso frisa que alguns estudos já foram feitos e uma proposta será encaminhada para a Prefeitura.

Anteriormente, a Prefeitura havia lançado um edital na modalidade de chamada pública para que interessados apresentassem propostas para uso e concessão do Ginásio Teixeirinha, inaugurado em 2004. O Gaúcho foi o único a mostrar interesse.



quinta-feira, 13 de março de 2014

PIAZADA ....

Jornal O Nacional

PIAZADA PRONTA PARA A PELEIA 

Um grupo com vontade de jogar

No próximo domingo (23) começa mais uma jornada na história do quase centenário Sport Clube Gaúcho. Quando os jovens atletas entrarem no gramado do estádio Edmundo Feix, em Venâncio Aires, também estarão iniciando um momento histórico pessoal. 

Com idade média de 20 anos, eles enfrentarão ao Guarani na estreia pelo Campeonato Gaúcho da Segunda Divisão. 

Mas estão preparados para envergar uma camisa de peso, com muita história e respeitada em todo estado: a camisa do Gaúcho de Passo Fundo.

Ontem o grupo trabalhou no campo da UPF. À exceção do goleiro César, o grupo é formado por garotos de 17 aos 23 anos. Orientados pelo professor Marco Aurélio e por Roberto Ciapparini, estão ansiosos pela estreia. E treinam bastante. 

A equipe inicial poderá ter César; Caxias, Zandro, Foguinho e Adrian; Marcelo, Gean, Bortolini e Maicon; Lucas e Pedrinho. Mas também podem iniciar ou ingressar durante o jogo Tairone, Zortéa, Dudu, Nicolau, Gabriel, Giovani, Cristian, Bruno, Rafael e tantos outros. A única baixa será o atacante Léo, que está lesionado. 

Fora isso, todos querem e podem jogar. E com esse ânimo o Gaúcho está abrindo mais uma página em sua história.

Créditos: LC Schneider/ON


sexta-feira, 7 de março de 2014

NO CAMPO ...

Jornal  O Nacional 
Publicada em: 07/03/2014 - 16:49 , por Luiz Carlos Schneider

OS JOVENS NO GRAMADO

Elenco do Gaúcho treina forte para disputar a Segundona



Treinamentos na UPF

Jovens que sonham com um espaço em um time de futebol. Este é o perfil do elenco do Sport Clube Gaúcho deste ano. A idade média do grupo fica na faixa dos 20 anos. São 27 garotos com idade entre 17 e 23 anos, idade limite para o Campeonato Gaúcho da Segunda Divisão. Além desses, outros três sem limite de idade também podem ser inscritos. O grupo começou a ser formado no final do ano passado. A seleção foi feita pelo professor Marco Aurélio e o treinador de goleiros Roberto Ciapparini, observando os jovens no futebol amador. Em janeiro iniciaram alguns testes e jogos treinos. Aos poucos foram definindo o grupo. Agora os treinamentos são realizados no campo da UPF, em parceria com a Faculdade de Educação Física.

Os reforços

A estreia do Gaúcho será diante do Guarani, em Venâncio Aires, no próximo dia 23, domingo. O primeiro reforço, com idade acima dos 23 anos, já está treinando. É o goleiro César, revelado pelo próprio clube em 2000. Outros dois nomes devem ser anunciados nos próximos dias, provavelmente um zagueiro e um meia. “Já estamos negociando com os jogadores”, disse, ontem, o presidente do Gaúcho, Gilmar Rosso. Na fase de preparativos não está prevista a realização de amistosos. Também ainda não está definido quem será o técnico da equipe. O presidente disse que oito treinadores procuraram o Gaúcho e que dois estão e negociação com o clube. “Fizemos uma proposta e cabe a eles aceitarem ou não”, disse, enfatizando que os valores estão sempre dentro da realidade do clube.

O gramado

Em breve iniciam as obras para erguer a Arena Wolmar Salton, a nova casa do Gaúcho, localizada nos fundos do Ginásio Teixeirinha. Nesta sexta-feira iniciam as medições e marcações para localização da drenagem. Isso significa que já nos próximos dias iniciará o plantio do gramado. Esse trabalho contará com orientação e acompanhamento do engenheiro agrônomo Jairo Lang, do grupo espanhol Alfredo Iñesta. Além da Arena, o Gaúcho também aguarda uma decisão sobre o vizinho Ginásio Teixeirinha. O clube apresentou a única proposta recebida pela Prefeitura de Passo Fundo, que ofereceu o local à iniciativa privada.

As camisas


Já estão disponíveis as camisas do Gaúcho para a temporada 2014. O material é fornecido pela Nike e podem ser adquiridas por R$ 150,00. A compra da camisa dá direito a assistir aos jogos do Gaúcho em casa pela Segunda Divisão do Campeonato Gaúcho. As camisas estão à venda em lojas como Paquetá Esportes do Bella Città, Botolli Esportes da Bento Gonçalves, Pés Calçados e com o senhor Adamastor ao lado do Oásis.

domingo, 2 de março de 2014

BEBETO QUEM FEZ E FAZ HISTÓRIA ...

Histórias de Bebeto, o Canhão da Serra

Postado por luiz_Zini Pires 
Zero Hora 

12
No texto do jornalista Lucas Scherer, autor de Bebeto, O Canhão da Serra (Passo Grafic, 160 pág, R$ 24,90), que será lançado quarta-feira em Passo Fundo, o goleiro Manga definiu Bebeto (1946-2003) após sofrer três gols num treino no Beira-Rio:
– Acho que esse cara comeu sabiá. Ele chuta a bola de qualquer jeito e quando a gente vê está lá dentro do gol.
Um dos ícones do futebol gaúcho, famoso pela violência do seu chute de pé direito, Bebeto (na foto acima entre Everaldo e Ancheta) jogou em 11 times – Grêmio (1970 e 1971) e Inter (1968, 1976 e 1977) – marcou 395 gols (173 só no Gauchão) em 744 jogos.
Natural de Soledade, Alberto Vilasboas dos Reis é o maior artilheiro da história do Gaúcho, de Passo Fundo, e goleador do Caxias no Campeonato Brasileiro.
O design da capa (à direita) é do colega Gonza Rodriguez.

:: Abaixo, algumas histórias de Bebeto, segundo o autor do livro:
Nas fotos acima, Bebeto com as camisas da Dupla e no Gaúcho, cumprimentando Figueroa
-
Jogo Gaúcho 2×2 Grêmio, em 25/2/1968:
Este foi o “jogo do pai do Bebeto”. O Gaúcho perdia até os 43 minutos do segundo tempo, quando Meca cruzou da direita para Bebeto empatar. A bola bateu no travessão, na rede e nos ferros de sustentação da trave para finalmente tocar o gramado depois da linha do gol e ser agarrada pelo goleiro gremista Arlindo. O gol legítimo foi confirmado pelo bandeirinha.
Aí começou a confusão.
Arlindo, ainda segurando a bola, e o capitão gremista Sérgio Lopes foram reclamar a validade do gol. O árbitro da partida, prevendo problemas, tentou se proteger na mesa onde estava o delegado da Federação Gaúcha de Futebol. Lá também estava Aparício dos Reis, pai de Bebeto e delegado de polícia, que tinha problemas de visão. Ele cometeu dois erros: primeiro, pensou que o gol havia sido anulado pelo árbitro; segundo, que Arlindo, o goleiro gremista vestido todo de preto, fosse o árbitro. O delegado acertou então um tapa no rosto de Arlindo. Nisso, seu casaco abriu, aparecendo o revólver.
A confusão logo foi controlada, mas a imprensa de Porto Alegre deu uma versão diferente: o pai de Bebeto, de arma em punho, teria invadido o campo e dado um tiro para o alto, forçando o árbitro a validar o gol irregular do time da casa. Já  para a revista Placar não houve tiro, mas seu Aparício teria colocado o revólver na cara de Arlindo para que ele não reclamasse da legitimidade do gol.
-
Jogo Gaúcho 7×1 Santa Cruz, em 30/3/1969
A torcida que foi ao estádio Wolmar Salton naquele domingo assistiu àquela que é considerada a melhor atuação de Bebeto pelo Gaúcho: quatro gols na vitória por 7-1 sobre o Santa Cruz.
Os gols do Canhão: aos 16 minutos do primeiro tempo, escanteio para o Gaúcho. Bebeto cabeceou no canto direito do goleiro. Gaúcho 1-0. Aos 28 minutos: Bebeto foi lançado por Zangão às costas do zagueiro Gildo e chutou na saída de Lory. Gaúcho 2-0. Aos 12 minutos do segundo tempo: Honorato matou a bola no peito e lançou para Bebeto, que bateu firme. Gaúcho 4-1. Aos 30 minutos do segundo tempo: Luiz Antônio subiu ao ataque e lançou Meca, que tocou na área; Flávio dominou e fez a assistência para Bebeto chutar forte. Gaúcho 6-1.
-
Jogo Gaúcho 2×1 Internacional de São Borja, 13/6/1976 (O FAMOSO JOGO DA REDE FURADA PELO CHUTE DE BEBETO)
O jogo em si não teve muita importância, mas o segundo gol de Bebeto foi um daqueles lances folclóricos.
Pênalti a favor do Gaúcho. Na cobrança, o atacante chutou a bola com tanta violência que furou a rede do gol defendido por Luiz Alberto. A cena do árbitro Rui Cañedo consertando a rede ficou imortalizada e deu ainda mais força à mística do “Canhão da Serra”.
-
Jogo Gaúcho 2×3 Grêmio, pelo Gauchão de 1976 (CEJAS NÃO VIU A BOLA…)
Talvez esta tenha sido a melhor apresentação do Gaúcho contra a dupla Gre-Nal. O técnico Adair Bicca montou um bom esquema de marcação, não dando liberdade a nenhum jogador gremista. O Grêmio só conseguiu marcar o gol da vitória aos 44 minutos e meio do segundo tempo.
O gol mais fantástico daquela tarde viria um pouco antes. Pedro atraiu a defesa do Grêmio e lançou Roberto, que chutou. A bola bateu na zaga e subiu. Ao vê-la cair, Bebeto acertou um voleio “com uma violência indescritível”, como lembra a crônica da partida publicada no jornal O Nacional. A bola entrou no ângulo esquerdo de Cejas: Gaúcho 2-1. O goleiro argentino diria:
— ¡Ni vi! ¡Ni vi! (Nem vi! Nem vi!)
Mas a sorte pararia de sorrir para o Gaúcho. Quatro minutos depois, em uma cobrança de escanteio, a bola sobrou para Eurico, que chutou forte de fora da área. A bola bateu no travessão e no rebote tocou nas costas de Ronaldo, entrando no gol: 2-2. Faltando 30 segundos para o fim do jogo, o golpe fatal. Eurico cobrou falta da meia-direita gremista. Alcino ganhou no alto e cabeceou no ângulo esquerdo de Ronaldo.
-
Jogo Flamengo 1×1 Caxias, Brasileiro de 1978
As mais de 27 mil pessoas que foram ao Maracanã ver Zico, Carpegiani, Júnior e Adílio assistiram a um show de Bebeto.
O Canhão abriu o placar com um chute de fora da área, depois de receber um passe de Luiz Freire. Zico empatou. Bebeto ainda teve a chance de dar a vitória ao Caxias. Só que a bola acertou o travessão de Cantarelli, aos 38 minutos do segundo tempo.

-

Uma história do tempo em que esteve no Inter em 1976-1977
Bebeto foi vendido pelo Caxias ao Inter no final de 1976. Sua contratação, um pedido do técnico Rubens Minelli, foi anunciada no dia da conquista do bicampeonato brasileiro sobre o Corinthians. Bebeto era o primeiro reforço do Inter que tentaria o tri brasileiro e o inédito título da Libertadores da América em 1977.
O sonho de disputar os títulos nacional e da América deu espaço à frustração em poucos dias. Bebeto viu a repetição do que acontecera em 1968. Minelli pediu demissão e foi substituído por Carlos Castilho, que estava no Operário de Campo Grande.
A concorrência no ataque colorado era forte. O titular era Dario, o Dadá Maravilha, artilheiro do campeonato brasileiro de 1976. Bebeto lutou por um lugar. Em um coletivo marcou três gols no empate por 6-6 entre titulares e reservas, deixando o goleiro Manga (que abominava sofrer gol do time reserva) furioso. Inexplicavelmente, Bebeto acabou sendo a quarta opção de Castilho para o ataque, atrás ainda de Pedro, seu ex-companheiro de Gaúcho, e de Joãozinho Paulista.
Novamente pouco aproveitado, e sem jogar nenhuma partida oficial, o Canhão da Serra voltou para o Caxias no final de março de 1977.
-
:: Gols por clubes