sábado, 13 de agosto de 2011


Gaúcho: uma vitória histórica na capital
Sexta-Feira, 12/08/2011 por Meirelles Duarte

Na caminhada histórica de qualquer agremiação esportiva, sempre haverá algo que a coloca além das suas reais possibilidades e se torna um feito inédito que vale a pena sempre recordar. O Sport Club Gaúcho poderia criar uma página do seu passado só com grandes conquistas e triunfos marcantes. Hoje lhes ofereço detalhes de um jogo que foi disputado há 49 anos com detalhes que tornaram seu triunfo ainda mais importante e de grande destaque. Corria o ano esportivo de l962, quando o Cruzeiro, da Capital, regressava, em pleno mês de agosto, de uma excursão realizada em paises europeus, tendo enfrentado, amistosamente, os maiores times da época, inclusive o Real Madrid, este com os imortais craques como Puskas, Gento, Santamaria Di Stefano e outros. Na equipe do Cruzeiro, que era treinada pelo polêmico técnico Foguinho, dentre outros, estava o zagueiro Daizon Pontes que viria, mais tarde, a se reintegrar nas fileiras do Gaúcho, onde encerrou sua carreira. O Gaúcho foi o convidado para o amistoso que marcaria o retorno do invicto Cruzeiro, em jogo disputado na Colina Melancólica, estádio alvi-azul cruzeirista. O Gaúcho sentiu-se honrado pelo convite, pois o técnico Foguinho era um grande admirador do clube alvi-verde, que jogava bem ao seu estilo, com muita garra e espírito de luta. Heitor Moura era o técnico. O jogo reuniu toda a crônica gaúcha, numa homenagem aos 10 jogos invictos do time da capital. Para surpresa de todos, o Gaúcho não tomou conhecimento do adversário, realizou uma atuação marcante e terminou vencendo por 3x2. Os gols foram marcados, 2 por Banana e 1 por Montezana. Cacalo e Jorginho marcaram para o Cruzeiro. As equipes foram estas, nesta página imortal do alvi-verde de Passo Fundo: GAÚCHO, com Cavalheiro, Vadecão, Amâncio, Branco Ughini e Mane Ca; Chita, depois Boneval, e Sariba, depois Hugo Loss; Meca Armando Rebechi, Montezana e Banana, depois Moreninho- CRUZEIRO com Heitor, Joãozinho, Daison Pontes, Tonico e Jorge Andrade; Pedruca e Mário Andrade, depois Jarbas; Jorginho, Paraguassú, Ivo, depois Picão e Cacalo. Técnico, Foguinho. Árbitro, Mário Severo. Infelizmente, num jogo de tanta importância, especialmente para o Gaúcho, não tiraram a clássica foto dos disputantes, razão pela qual, estou publicando a da temporada de l962, exatamente do ano em que o jogo foi disputado, mesmo com a ausência de alguns que tomaram parte no jogo. Iremos verificar que a maior parte dos que figuram na foto e que eram daquela temporada, já nos deixaram, não se sabendo do destino de apenas um jogador, o Chita que mesmo pesquisado, nem seus companheiros da época sabem do seu destino. Na foto, em pé, estão Cavalheiro, que aqui reside, Amâncio e Sariba, já falecidos, Branco Ughini, um dos grandes nomes do plantel, Maneca e Hugo Lossa, já falecidos. Agachados, Meca que aqui reside, Montezana, falecido em Bagé, Armando Rebechi que reside na Capital, Chita, de destino ignorado e o grande ponteiro Banana, falecido em Cruz Alta. Vadecão, que jogou diante do Cruzeiro, é o único que não consta da foto, mas era titular do plantel de 1962. Que grandes momentos, senhores, o futebol de Passo Fundo nos proporcionou ficando eternamente na lembrança dos que tiveram a felicidade de ter vivido e testemunhado estes grandes momentos recheados de grandes emoções.

Nenhum comentário:

Postar um comentário